Artigos
Ana Arlinda Alcantara Caldeira
Marketing e Publicidade
E se todas as coisas estivessem conectadas?
Atualmente, as pessoas, independentemente de sua idade, estão conectadas à Internet seja por meio de celulares, tablets ou notebook, em casa, na rua, no trabalho, no ônibus, nas escolas, em fim, em todos os lugares e momentos. Estão sempre online, tonando-se dependentes desse poderoso meio de comunicação, deixando, muitas vezes, de manter um relacionamento cara a cara com quem está a sua volta. E mesmo assim, a indústria, que não para, quer transformar simples objetos do nosso dia a dia em complexos e inteligentes objetos conectados, que podem ser controlados de qualquer lugar ou distância. Esse dispositivo, chamado Internet das Coisas, apresenta suas vantagens e desvantagens para a sociedade, para a segurança dos indivíduos e infraestrutura.
 
A Internet das Coisas é uma ferramenta com a qual todas as coisas se conectam com a Internet, por exemplo, casa, carro ou eletroeletrônico, interagindo com seus usuários. Carros que serão pontos de wifi e que poderão se comunicar com outros veículos, geladeiras que mostrarão a validade de produtos ou que controlarão os alimentos que faltam para um jantar programado, ou controlar a velocidade de carros via aplicativo. Isso representa um mercado que promete movimentar bilhões de dólares e vender milhões de novos aparelhos.
 
Quem já está adaptado às tecnologias e aplicativos não encontrará problemas para entrar nessa nova onda da Internet das Coisas e, provavelmente se interessará para experimentar e ingressar no uso da nova tecnologia. Será um momento de diversão e exploração, apesar das pessoas ficarem mais conectadas do que já são atualmente, correndo o risco de serem escravas dos sistemas tecnológicos e não conseguirem, depois de um tempo, viver sem essa experiência, como aconteceu com a celular.
 
A Internet das Coisas, assim como sites e e-commerce, terá seus problemas relacionados à segurança de usuários e informações, pois os mesmos objetos que antes eram usados com finalidade básica poderão ser atacados por hackers, e esse fato é evidente para as empresas de tecnologia, que estudam como melhorar a vulnerabilidade desses dispositivos, para então lança-los aos montes no mercado.O mesmo acontece com a infraestrutura de dados, os quais terão que melhorar para suportar a quantidade exorbitante de novos dados que serão produzidos pelosindivíduos e seus aparelhos. Uma desvantagem, como dito anteriormente, será a falta de comunicação pessoal, a qual vai diminuir ainda mais com a integração da Internet das Coisas a vida cotidiana, visto que as pessoas terão mais assuntos com que se preocupar no mundo online.
 
A Internet das Coisas é um avanço para o mundo tecnológico, financeiro, mercadológico e pessoal, mas que ainda depende de muitos estudos e testes para não expor as pessoas às invasões de hackers e à exposição de suas informações particulares, pois tudo estará conectado e mais vulnerável.
Perfil

Possui graduação em Comunicação Social - Publicidade e Propaganda pela Universidade de Marília (2013) e completou o MBA em Marketing pela Fundação Getúlio Vargas de Bauru (2017). Tem experiência na área de Comunicação Social, com ênfase em design gráfico, desenvolvimento de publicidade interna e externa para empresa, marketing digital e comunicação empresarial.

Últimos artigos
Liberdade na era digital e das redes sociais
Usar a comunicação para defender a sua marca é essencial
Conquistar um conhecimento sólido para gerir empresas e pessoas é essencial
As empresas e o seu comprometimento socioambiental
O varejo em vários canais de comunicação
Todos os artigos