Artigos
Lia Helena Giannechini
Coaching, psicologia, grávidas e o mundo dos bebês, e a transformação pela arte
Série: Desenvolvimento infantil e a Responsabilidade dos Pais

Síndrome da hiperatividade ou TDAH

Na última palestra que eu dei na Escola Renato Passeri, falamos sobre a hiperatividade nas crianças.

Como meus filhos e os da minha irmã, muitas mães sofrem muito para criá-los com essa síndrome. A pergunta de uma mãe dessa Escola, me fez refletir: o que é preciso fazer pra tirar isso da criança?

Não se tira uma síndrome do TDHA ou déficit de atenção e hiperatividade. Desenvolve-se atividades que proporcionam um treino para os déficits.

Começando pelo desenvolvimento neural: a criança com hiperatividade tem um  desenvolvimento deficiente das atividades neurais. Para entender, as partes do cérebro que têm envolvimento para o desenvolvimento da atenção e da atividade motora coordenada apresentam um funcionamento inadequado. Segundo pesquisadores da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Claudia M Szobot, Mariana Eizirik, Renato D da Cunha, Daniel Langleben e Luis Augusto Rohde, (Maio, 2011) o cerebelo parece estar envolvido também, sugerindo-se uma disfunção no circuito cerebelo-tálamo-pré-frontal, como predispondo aos déficits no controle motor, inibição e função executiva vistos no TDAH. Isso quer dizer que as funções desse sistema ficam comprometidas, desenvolvendo uma incapacidade para prestar atenção, respondendo a todos os estímulos do ambiente, com as mesmas proporções. Assim como, a necessidade do corpo estar em movimento o tempo todo.

Essa é uma síndrome que vai diminuindo de intensidade à medida que a criança cresce e aprende a se concentrar em atividades que gosta muito. Como videogames, esportes, atividades manuais, instrumentos e músicas. É comum uma criança com hiperatividade obter várias habilidades manuais. Pela necessidade de usar sua atividade corporal, impelida por essa disfunção cerebral.

Por isso a pergunta dessa mãe me chama tanta atenção. A criança não vai parar. E não tem o que a faça parar. É preciso uma dose de tolerância muito grande e o oferecimento de várias atividades com bola, com cores, com tintas, com atividades motoras, para que ela se entretenha. E não adianta brigar. Isso só vai deixar ela com baixa estima. Ela já tem muitos desafios a vencer. Seu cérebro lhe envia estímulos constantes para desenvolver atividades o tempo todo.

Na escola é preciso uma aliança com os professores, para completar em casa o treino de habilidades que precisem ser aprendidas e não o são, em sala de aulas. A professora precisa compreender que eles vão levar mais tempo pra aprender certas atividades. Às vezes essa hiperatividade vem acompanhada de uma inteligência mais alta e a criança completa as tarefas muito rapidamente para poder se livrar da tarefa e brincar e não percebe quando falta algum tipo de atividade mais específica. E só quando confrontado é que se dá conta do seu erro.

Eu por exemplo, pulo números em contagens. E para ser caixa de banco, precisei aprender a repetir várias vezes a mesma operação, para ver se o resultado era igual, e por isso era mais lenta que os outros caixas. 

Fazer essa aliança com a escola ajuda a criança a desenvolver uma autoestima que lhe assegurará grandes competências em seu desenvolvimento. Porque a criança se sente amparada em suas diferenças e assim pode se expressar em todas as dificuldades que vai tendo para aprender os conteúdos exigidos.

Quando ela não tem esse acolhimento, suas frustrações são maiores que as de uma criança comum, por isso eles brigam, batem e ficam mais agressivos que uma criança comum. A reação a frustração é maior. Então ela reage com frequência, impelido por essa hiperatividade.

Assim como em todos os casos, onde a criança está reagindo de maneira descomunal, com agressividade, é preciso uma investigação sobre a causa. Ela está se defendendo de frustrações que ela não sabe resolver e precisa de ajuda, para se ajustar às exigências que lhe são impostas. Diminuir as cobranças, refazer uma rota de desenvolvimento vai sossegá-la, porque dá a ela a sensação de ser cuidada, acolhida em suas diferenças.

Perfil

Nasceu na cidade de São Paulo, Brasil. Viveu sua primeira infância no Bairro de Santana, residindo em Santos em sua adolescência, onde estudou no Colégio São José, compondo as primeiras poesias, com a influência de J. G. de Araujo Jorge, nos anos 60. A formação humanista, leva a escolha da profissão de psicóloga. Mora atualmente em Piracicaba, realizando um trabalho como Coaching Social e empresarial, donde nasce a experiência para o livro atual. É autora de um livro de contos, Doido, Eu? Editora clube dos autores, 2012,sobre mendigos e andarilhos,  diversos artigos sobre psicologia e o Blog www.alemdooceano.wordpress.com, com todas as poesias e artigosque escreveu.
Foi convidada por Sylvio Rey Reboledo a ministrar os  cursos de introdução ao Psicodrama, para lideres comunitários em Cali, Colômbia, pela Casa de Justicia de AguaBlanca, onde recebeu o título de cidadã benemérita em Ginebra, Vale delCauca, pelos serviços prestados à comunidade, que a recebeu de braços abertos em 2010.
Já ministrou diversos cursos próprios, como Mitologia Pessoal e a Roda do Zodíaco, Além da Extensão da Mente: Oficina de Criatividade, Mitologia Pessoal – oficina de desenvolvimento humano. Oficina de Coordenação e Desenvolvimento de Grupos, Oficina de Criatividade.
Trabalhou como consultora de treinamentos, em empresas como Gerdau e Engebrás.
É autora de diversos artigos para o Jornal de Piracicaba de 1985 a 1987.
Seu trabalho atual como Coaching  prepara o jovem adulto para empreender e transformar seu conhecimento em um negócio próprio, além de desenvolver fases para consolidar as carreiras de jovens profissionais. Seu trabalho com escritora desenvolve projetos com equipes da comunidade.
Atualmente faz parte do clube caiubi de compositores, onde alguns parceiros musicam suas poesias, transformando a experiência de letrista, em um processo novo e criativo.
Atualmente se dedica a dois projetos
#AtitudesSimplesResultadosExtraordinários junto com mais 14co-autores, escreveu um e book sobre coaching, contando todos os passos que precisam ser dados para uma pessoa alcançar seu sonho,
#CariCreare – projeto para grávidas, com acompanhamento, informação e suporte emocional.
#arteevida – um projeto de arteterapia para depressivos e pessoas com síndrome de stress

Últimos artigos
Coach e o desmame!!!
O desmame!!!
A escola e os pais devem fazer uma aliança, pelo benefício do crescimento da criança
Além do Universo
A solidão traz estresse
Todos os artigos